O ministro da saúde da Argentina renunciou após surgirem relatos de que pessoas no país estavam furando a fila da vacinação.

Na 6ª feira (19.fev.2021), Gines Gonzalez Garcia afirmou que houve uma “confusão não intencional” em seu escritório enquanto ele estava fora.

“Respondendo ao seu pedido expresso, apresento minha demissão do cargo de ministro da Saúde”, escreveu Garcia em uma carta endereçada ao presidente Alberto Fernandez, que havia pedido a demissão do ministro.

“Expresso minha gratidão à grande maioria do povo argentino pelo empenho e apoio às políticas que implementamos para reconstruir nosso sistema federal de saúde, com maior equidade, acesso e qualidade”.

O escândalo começou quando um jornalista argentino disse ter recebido uma dose da vacina depois de falar diretamente com o ministro.

Garcia será substituído por uma de suas vice-ministras, Carla Vizzotti, que foi responsável por garantir a vacina russa Sputnik V, que o país aplica desde dezembro.

A Argentina deu prioridade aos profissionais de saúde em seu programa de vacinação contra coronavírus, e as vacinas para pessoas com mais de 70 anos começaram a ser aplicadas na 4ª feira (17.fev.2021).

O país tem 44 milhões de habitantes, e reportou mais de 2 milhões de casos e 51.000 mortes relacionadas ao coronavírus, de acordo com dados da Universidade Johns Hopkins.

No entanto, as entregas das vacinas ficaram muito atrás do que a Argentina esperava inicialmente. Até 4ª feira, cerca de 250 mil pessoas haviam recebido duas doses.

A Argentina não é o único país da América Latina a enfrentar um escândalo de vacina contra coronavírus. Os ministros da saúde e das Relações Exteriores do Peru renunciaram este mês depois de surgirem relatos de que centenas de funcionários do governo, incluindo o ex-presidente Martin Vizcarra, receberam doses antes que as vacinas estivessem disponíveis.

O presidente interino peruano Francisco Sagasti disse na semana passada que 487 funcionários aproveitaram seus postos para receber secretamente as primeiras vacinas.

No Brasil, houve casos em diversos Estados. No dia 9 de fevereiro, a Câmara dos Deputados aprovou requerimento de urgência para o PL (projeto de lei) 33 de 2021, que transforma em crime o ato de furar a fila da vacinação. A aprovação da urgência, porém, não significa necessariamente que a proposta vá ter o mérito votado no plenário.

Fonte: Poder 360