A adoção de medidas mais restritivas contra a disseminação do novo coronavírus, por conta do avanço dos casos em toda a Paraíba é um dos assuntos que estão dando o tom tanto do governo estadual quanto da Prefeitura de João Pessoa desde o início da manhã desta segunda-feira (22).

Reuniões estão marcadas para a manhã de hoje e mesmo antes de realizá-las, tanto o governador João Azevêdo quanto o prefeito Cícero Lucena já anteciparam algumas medidas que devem ser adotas.

Cícero defendeu o toque de recolher das 22h às 5h durante entrevista à Rádio Correio, enquanto que João também defende a restrição na abertura de bares, escolas e igrejas por pelo menos 15 dias.

Durante entrevista à TV Cabo Branco, João declarou que é necessário um ‘choque’ durante esses 15 dias para barrar a contaminação e evitar o colapso da rede de saúde, já que a transmissão está sendo muito rápida.

“Precisamos de um choque de 15 dias. Nós temos que tomar medidas sérias para que isso surta efeito  no número de casos e não haja pressão no sistema de saúde. Tivemos um carnaval onde houve muita movimentação e que o reflexo será em março” destacou o gestor estadual.

As medidas que serão discutidas nesta segunda englobam o toque de recolher já defendido por Cícero, a suspensão das aulas presencias na rede pública e privada, redução do horário do comércio e de bares e restaurantes, fechamento da orla além de restrição na realização de cultos e missas.

“Entendo que determinadas medidas trazem impacto, mas é a opção entre a vida e a morte” enfatizou João.

Fonte: PB Agora