O total de estudantes paraibanos que tiveram atividades disponibilizadas no mês cresceu cerca de 10%, de julho a setembro, passando de 765 mil para 842 mil, segundo dados da PNAD COVID19, divulgada pelo IBGE na sexta-feira (23). O número representa 89,9% dos alunos no estado, proporção maior que as observadas nas médias nacional (84,4%) e regional (78,9%).

No mesmo período, a quantidade de pessoas que não tiveram atividades caiu de 144 mil para 87 mil, com redução de aproximadamente 39,5%. Também houve queda no número daqueles que não tiveram atividades, porque estavam de férias, que diminuiu 81%, passando de 37 mil para 7 mil.

Em setembro, a disponibilização de atividades foi mais comum entre os estudantes do ensino fundamental (92%), seguidos por aqueles que estão no ensino médio (89,5%) e pelos que frequentam o superior (83,2%). Embora tenha o menor percentual, este grupo apresentou a maior expansão nesse indicador, que, no início do levantamento, em julho, era de apenas 57,4%.

Já em relação ao rendimento domiciliar per capita dos estudantes, a pesquisa aponta que a disponibilização de atividades teve maior alcance (92,5%) entre aqueles que estão na faixa de um a menos de dois salários-mínimos, enquanto o menor (88,6%) foi registrado na faixa de menos de meio salário.

Além disso, de acordo com a PNAD COVID19, para a maior parte dos estudantes que tiveram atividades (69,3%), como aulas, estudos dirigidos e deveres, essas tiveram frequência de cinco dias por semana, ao passo que 11,5% tiveram atividades em três dias, 6,1% em quatro dias e 4,2% em dois dias.

Fonte: Portal Correio