O jornal — que afirma ter obtido registros fiscais de Trump e de suas empresas ao longo de duas décadas — também afirma que ele não pagou nenhum imposto de renda em 10 dos 15 anos anteriores.

Os registros revelam "perdas crônicas e anos de evasão fiscal", diz. Trump chamou o relatório de "notícia falsa" ("fake news", em inglês).

"Na verdade, eu paguei impostos. E vocês verão que isso assim que minhas declarações de impostos... que estão sob auditoria, estão sob auditoria há muito tempo", disse ele a repórteres depois que a reportagem foi publicada no domingo.

"O IRS [Internal Revenue Service, a receita federal americana] não me trata bem... Eles me tratam muito mal", disse ele.

Trump já enfrentou problemas jurídicos por se recusar a compartilhar documentos relativos à sua fortuna e negócios. Ele é o primeiro presidente desde os anos 1970 a não divulgar suas declarações de impostos, embora isso não seja exigido por lei.

O New York Times disse que as informações em sua reportagem foram "fornecidas por fontes com acesso legal a elas".

A reportagem foi publicada poucos dias antes do primeiro debate presidencial de Trump com o rival democrata Joe Biden e semanas antes da eleição de 3 de novembro.

Quais são as principais alegações da reportagem?

O New York Times disse que analisou as declarações de impostos relacionadas ao presidente Trump e às empresas pertencentes à Organização Trump desde a década de 1990, bem como suas declarações pessoais para 2016 e 2017.

O jornal afirma que o presidente pagou apenas US$ 750 em imposto de renda em 2016 e 2017, e que não pagou nenhum imposto de renda em 10 dos 15 anos anteriores, "principalmente porque ele relatou ter perdido muito mais dinheiro do que ganhou".

Antes de se tornar presidente, Trump era conhecido como um empresário celebridade e magnata do setor imobiliário.

Mas o jornal diz que suas declarações para o IRS "retratam um empresário que ganha centenas de milhões de dólares por ano, mas que ainda assim acumula perdas crônicas que ele emprega agressivamente para evitar o pagamento de impostos".

Em um processo público, o presidente Trump disse que ganhou pelo menos US$ 434,9 milhões (cerca de R$ 2,4 bilhões) em 2018. O jornal contesta isso, alegando que suas declarações de impostos mostram que o presidente havia ficado no vermelho, com US$ 47,4 milhões (cerca de R$ 263 milhões) em perdas.

A Organização Trump fez coro ao presidente ao negar as alegações da reportagem.

O diretor jurídico da empresa, Alan Garten, disse ao New York Times que "a maioria, senão todos, os fatos parecem ser imprecisos".

Trump Tower
Legenda da foto,

A Trump Organization rejeitou as alegações do New York Times, dizendo que 'a maioria' dos fatos relatados são imprecisos

"Na última década, o presidente Trump pagou dezenas de milhões de dólares em impostos pessoais ao governo federal, incluindo o pagamento de milhões em impostos pessoais desde o anúncio de sua candidatura em 2015", disse ele.

O que mais diz a reportagem?

O jornal também afirma que "a maioria" dos maiores negócios de Trump — como seus campos de golfe e hotéis — "declaram perder milhões, senão dezenas de milhões, de dólares ano após ano".

"Essa equação é um elemento-chave da alquimia das finanças de Trump: usar os lucros de sua celebridade para comprar e sustentar negócios arriscados e, em seguida, usar seus prejuízos para evitar impostos", diz o jornal.

A reportagem acrescenta que o presidente é pessoalmente responsável por mais de US$ 300 milhões (R$ 1,6 bilhão) em empréstimos, que vencerão nos próximos quatro anos.

O jornal também alega que algumas das empresas do presidente Trump receberam dinheiro de "lobistas, autoridades estrangeiras e outros em busca de tempo, acesso ou favorecimento" do presidente.

Donald Trump promovendo The Celebrity Apprentice TV em 2015
Legenda da foto,

O presidente Trump, fotografado em 2015 no lançamento da série de TV The Celebrity Apprentice, ganhou US$ 427,4 milhões em 2018 com o programa

O New York Times diz que usou registros fiscais para descobrir quanto o presidente ganha com suas empresas no exterior, alegando que ele obteve US$ 73 milhões (R$ 406 milhões) em receitas no exterior em seus primeiros dois anos na Casa Branca.

Muito disso veio de seus campos de golfe na Irlanda e na Escócia, mas o New York Times diz que a Organização Trump também recebeu dinheiro "de acordos de licenciamento em países com líderes autoritários ou geopolítica espinhosa".

O New York Times alega que os acordos de licenciamento renderam US$ 3 milhões nas Filipinas (R$ 16 milhões), US$ 2,3 milhões (R$ 12,8 milhões) na Índia e US$ 1 milhão (R$ 5,5 milhões) da Turquia.

O jornal afirma que o presidente Trump faturou US$ 427,4 milhões (R$ 2,3 bilhões) em 2018 em receitas com a série The Apprentice US, bem como com acordos de marcas em que as organizações pagavam para usar seu nome.

Ele também ganhou US$ 176,5 milhões (R$ 981,7 milhões) investindo em dois prédios comerciais naquele ano, segundo consta na reportagem.

No entanto, o New York Times alega que o presidente quase não pagou impostos sobre essas receitas, porque relatou que seus negócios tiveram perdas significativas.

Campo de golfe de Trump na Escocia
Legenda da foto,

Os campos de golfe do presidente Trump na Escócia, junto com um na Irlanda, tiveram perdas de US$ 63,3 milhões em 2018, diz o New York Times

Ele também afirma que o presidente Trump tem feito uso de um código tributário que permite aos proprietários de empresas "levar para o ano fiscal seguinte as perdas restantes para reduzir os impostos nos anos futuros".

Por exemplo, o jornal diz que em 2018, o maior resort de golfe do presidente Trump, o Trump National Doral, perto de Miami, teve perdas de US$ 162,3 milhões (R$ 902,7 milhões). Da mesma forma, seus dois campos de golfe na Escócia e um na Irlanda teriam declarado perdas combinadas de US$ 63,6 milhões (R$ 352,1 milhões).

Qual foi a reação à reportagem?

Os adversários políticos de Trump condenaram o suposto arranjo tributário do presidente.

A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, a democrata mais poderosa de Washington, disse que o relatório mostra que Trump tomou "medidas extraordinárias" para "burlar o código tributário e evitar o pagamento de sua fatia correta dos impostos".

No Twitter, o líder da minoria no Senado, o também democrata Chuck Schumer, pediu aos americanos que "levantassem a mão" caso tivessem pago mais imposto de renda federal do que Trump.

O candidato presidencial democrata Joe Biden não se pronunciou até agora, mas sua equipe de campanha destacou no Twitter que professores, bombeiros e enfermeiras pagaram muito mais do que US$ 750 em impostos.

Fonte: BBC Brasil