Cerca de 49% dos domicílios paraibanos não tinham ligação com a rede geral de esgoto em 2019, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), divulgada nesta quinta-feira (7). O estudo aponta que dos 1.312.000 mil lares do estado, 643 mil não contam com o serviço.

Segundo o órgão, o percentual está um pouco abaixo do observado para o Nordeste, de 52,8%, mas bem acima do que foi registrado para o Brasil, de 31,7%.

Na Paraíba, essa proporção é formada por 31,9% que contavam com fossa séptica não ligada à rede e 17,3% por outros tipos de escoadouro, como fossa rudimentar, vala, rio, lago ou mar.

Já o uso da rede geral de distribuição como principal fonte de abastecimento de água permaneceu estável nos últimos anos, na Paraíba, e alcançou 76,4% dos domicílios em 2019, mas ficou abaixo das médias do Brasil, de 85,5%, e da região, de 80%.

Também foram constatadas pequenas variações em relação à utilização de outros meios, no período de 2016 a 2019. O poço artesiano como principal fonte passou de 7,9% para 7,5%, e o uso do poço raso caiu levemente de 4,1% para 3,4%, enquanto o abastecimento por fonte ou nascente aumentou de 0,7% para 1,1%.

Já o serviço de coleta direta de lixo ocorria em 76,1% dos domicílios paraibanos, em 2019, segundo a pesquisa. Embora esteja abaixo da média brasileira, de 84,4%, o percentual foi superior ao observado para o Nordeste, de 70,8%.

O levantamento indica ainda que em 15,3% dos lares paraibanos o lixo era queimado na propriedade, proporção maior do que as médias nacional, de 7,4%, e regional, de 15,1%. Além disso, em 7% dos domicílios a coleta dos resíduos ocorria em uma caçamba, percentual igual à média do país e menor do que a nordestina, de 11,9%.


Fonte: G1 PB