Um dos fatos mais polêmicos e comentados em anos eleitorais é a presença das pesquisas eleitorais. Os resultados geram dúvidas para alguns apoiadores de determinados partidos/candidatos e confiança para apoiadores de outros. Mas um fenômeno diferente vem acontecendo na Paraíba em 2022.

Até esta quarta-feira (29), a pouco mais de 90 dias do primeiro turno das eleições, marcado para 2 de outubro, somente uma pesquisa eleitoral foi registrada no Estado neste ano. Ela foi registrada em 1º de fevereiro, pelo número PB-06073/2022, encomendada pelo portal PB Agora, realizada pelo instituto Datavox. O levantamento foi realizado com 2006 pessoas, entre os dias 29, 30 e 31 de janeiro, e foi divulgado em 7 de fevereiro.

Relembre os números

A pesquisa realizada pelo Datavox perguntou aos entrevistados em quem votariam para governador do estado nas eleições deste ano, oferecendo uma relação com seis pré-candidatos à época, o que se configura uma pesquisa estimulada, quando são apresentados os nomes dos pré-candidatos.

Foram listados o atual governador João Azevêdo; a vice-governadora Lígia Feliciano; o ex-prefeito de João Pessoa Luciano Cartaxo; o comunicador Nilvan Ferreira; o deputado federal Pedro Cunha Lima; e o senador Veneziano Vital do Rêgo. Desses, dois não são mais pré-candidatos ao governo atualmente: Luciano e Lígia.

E os resultados foram esses: João Azevêdo (40,7%); Pedro Cunha Lima (14,2%); Veneziano (6,6%); Luciano Cartaxo (5,9%); Nilvan Ferreira (3,2%); e Lígia (1,0%). Ainda, 20,3% disseram estarem indecisos e outros 8,1% responderam Branco/Nulo. A margem de erro é de 2,2% para mais ou para menos.

Segundo turno

O instituto ainda simulou dois cenários de segundo turno, ambos envolvendo o governador João Azevêdo. Ele venceria ambos, um contra Pedro e outro contra Veneziano. Confira:

Cenário 1

João Azevêdo: 42,1%

Pedro Cunha Lima: 16,8%

Indecisos: 26,8%

Branco/Nulo: 14,3%



Cenário 2

João Azevêdo: 43,4%

Veneziano: 10,5%

Indecisos: 30,1%

Branco/Nulo: 16%



Opinião

O Polêmica Paraíba procurou a opinião de Sérgio Pavanello, diretor de Jornalismo do Sistema Correio, para saber qual é sua opinião sobre esse fenômeno de poucas pesquisas e o motivo pelo qual o Correio ainda não contratou e divulgou um levantamento em 2022.

Sérgio acredita que fatores como o custo de uma pesquisa e o fato de os pré-candidatos ainda não estarem oficializados na condição podem pesar para outros meios de comunicação na hora de contratar uma pesquisa. Especificamente sobre Correio, o diretor falou que o Sistema não trabalha apenas com política, e que por isso, dará a devida atenção à pauta em um momento futuro, provavelmente no período pós São João.

“O Sistema Correio ainda não publicou nenhuma pesquisa porque a gente ainda está passando pelo processo do São João, que tem outras intenções. A gente tem multitrabalho e multifoco, não é só eleições e a política. A gente trabalha com cidades, com cultura. Então a gente está traçando uma situação de cada vez. Vamos passar o São João e depois que a gente acabar esse período a gente vai começar a expor a nossa estratégia de política”, contou.

Fonte: polemicaparaiba